Pré-Natal: os cuidados nos primeiros três meses da gravidez

 

É nesta primeira etapa, com o início do pré-natal, que o ginecologista/obstetra vai pedir uma série de exames para verificar a saúde da mãe e do bebê.

Um deles, obrigatório, é o exame de HIV, pois se a gestante for soropositiva, com o tratamento e acompanhamento corretos é possível evitar a transmissão do vírus para o bebê.

Nesse acompanhamento, o médico também vai investigar outras doenças que podem prejudicar o bebê como é o caso da sífilis, que se não tratada a tempo pode causar sequelas irreversíveis à criança, e ainda a hepatite B e C, rubéola, toxoplasmose, alguma doença crônica como obesidade, hipertensão e diabetes, e fazer uma análise da condição geral de saúde da gestante e determinar os cuidados a serem adotados durante a gravidez.

É preciso tomar vitaminas?

Em alguns, casos, a alimentação da gestante também precisa ser reforçada. É por isso, que se recomenda a suplementação com ácido fólico ou metilfolato, vitamina D, iodo, ômega 3, entre outras devem ser iniciadas com orientação médica. 

Há mais risco de aborto?

Você também já deve ter ouvido que o primeiro trimestre da gravidez é o mais crítico. Nesse período há maior incidência de abortos espontâneos, sem causas definidas ou geralmente ocorridos por má formação do feto. Além disso, o óvulo fecundado traz 50% de características genéticas da mãe e 50% do pai, que ainda são estranhos ao organismo da mulher. 

Humor

O primeiro trimestre é o período de incidência dos famosos (e temidos) enjoos gestacionais. Os enjoos são provocados pelo aumento considerável dos níveis de progesterona no organismo, que ainda propicia o aumento do sono, da salivação e da instabilidade de humor, além do aumento do hormônio beta HCG.