Veja três doenças relacionadas a dor pélvica

 

Ao sentir a dor pélvica, assim como qualquer dor, é preciso estar atenta aos sintomas e relatá-los ao médico para que haja um diagnóstico correto. Mas também não é preciso ficar assustada, se você está com dor pélvica, o melhor é conversar com o ginecologista.

Na maioria dos casos, a dor pélvica tem relação com os órgãos íntimos internos, como útero, ovário, trompas, porém ela também pode ser sintoma de problemas no aparelho urinário, no intestino ou alterações nas articulações, nervos, músculos e ossos. “

O diagnóstico sobre o que está causando essa dor é feito pelo médico através do relato dos sintomas e também exames de ultrassom e urina para chegar ao diagnóstico correto.

Em boa parte dos casos, a dor pélvica tem causa passageira como infecções de urina, tratadas com antibióticos, além de ovulação, cólicas menstruais e gases. Veja três doenças relacionadas a dor pélvica:

Endometriose: é uma condição na qual o endométrio, mucosa que reveste a parede interna do útero, cresce em outras regiões do corpo. Os sintomas são: cólicas intensas durante a menstruação, dor forte no baixo ventre durante e fora do período menstrual, fadiga crônica, fluxo menstrual intenso ou fora do período, dificuldade de engravidar e dor durante a relação sexual.

Miomas: são tumores benignos, ou seja, não cancerosos, que atingem 50% da população feminina entre os 30 e os 50 anos. Podem se desenvolver lentamente ou rapidamente. Os sintomas incluem dor pélvica, fluxo menstrual abundante, sangramento fora do período menstrual, sangramento com coágulos, hemorragias e incontinência urinária. O tratamento vai desde uso de hormônios até cirurgias, incluindo a retirada do útero nos casos mais graves.

Câncer de útero: diferente do câncer de colo de útero, o câncer uterino não é detectado através do Papanicolau, pois ocorre na parte interna (endométrio) do útero. Acomete mais as mulheres na menopausa, principalmente na menopausa tardia. Seu principal sintoma é o sangramento após a menopausa, seguido de dor pélvica, dor durante a relação sexual e dificuldade para urinar. Neste caso, a recomendação médica é a retirada do útero.