Psoríase: o que é e como tratar

 

É muita coisa. E quem tem psoríase ainda sofre com o preconceito das pessoas que temem ser infectadas, ao verem o aspecto que fica a pele atingida pela doença.

Mas não é preciso ter esse medo. Psoríase não é contagiosa e apesar de difícil pode ser controlada, com medicamentos e com a identificação e controle dos gatilhos que desencadeiam uma crise da doença, que está associada também ao estado psicológico da pessoa.

A psoríase atinge pessoas de qualquer idade, principalmente entre os 15 e 35 anos e pode ser genética.

Sintomas

As inflamações provocadas pela psoríase provocam lesões que atingem principalmente áreas como braços – nas dobras como o cotovelo – mãos, joelhos, e couro cabeludo. Essa inflamação gera uma descamação da pele em forma de placas.
 
Além da predisposição genética, outros fatores podem desencadear ou agravar a doença como estresse, exposição ao frio, irritações na pele, infecção de garganta e ingestão de bebidas alcóolicas.

Como ocorre o tratamento

Para diagnosticar a psoríase é preciso passar por uma avaliação com o dermatologista, que é o médico que cuida da nossa pele. Após o exame, geralmente clínico, o dermatologista vai avaliar qual a melhor abordagem de tratamento.

A psoríase é uma doença que não tem cura, mas tem tratamento e varia de paciente para paciente. Geralmente, o tratamento é feito com corticoides que visam interromper a reação que a pele está sofrendo, ajudando que o processo inflamatório regrida.

Apesar de não haver cura com o acompanhamento e tratamentos adequados é possível manter a psoríase sobre controle. Além do dermatologista, é essencial que o paciente aprenda identificar se algum problema psicológico e quais tipos de estresses fazem desencadear a doença, pois isso também ajudará no tratamento. Muitas vezes, além do dermatologista, a pessoa também pode passar por atendimento psicológico para ajudar no controle da psoríase.