Zika vírus e as consequências oculares: saiba como tratar

 

Mas, como nem todo paciente com conjuntivite tem Zika e nem toda pessoa com Zika terá conjuntivite, somente um oftalmologista poderá avaliar o seu quadro.

Ao confirmar o caso, o especialista irá indicar o melhor colírio para aliviar as dores e a irritação.

Quanto a relação da uveíte com o Zika, a descoberta foi feita recentemente por cientistas brasileiros que encontraram ligação nos dois problema, em adultos.

A uveíte também é uma doença inflamatória que atinge o olho podendo chegar ao nervo ótico e a retina.

O paciente com a patologia fica o olho vermelho, tem sensibilidade à luz, dor, visão embaçada e vê pequenos pontos escuros que se movimentam.

Apesar de ter alguns sintomas em comum com a conjuntivite, a uveíte pode ser anterior, intermediária ou posterior, conforme o segmento ocular que afeta. Sendo assim, somente um oftalmologista poderá fazer o diagnóstico.

O tratamento é feito com colírio à base de corticoide ou imunomoduladores, mas nos casos de uveíte anterior é preciso dilatar a pupila e prescrever anti-inflamatório de uso local para preservar a anatomia do olho.

Caso o problema não seja acompanhado de perto, a doença pode evoluir para catarata ou aumento da pressão do olho.

Além das alterações no olho, o Zika vírus também causa febre alta, dores de cabeça e atrás dos olhos, dores nas articulações, dores musculares, cansaço, manchas vermelhas na pele, coceira e enjoos.

Geralmente esses sintomas duram de quatro a sete dias.

Para saber se é Zika ou não agende sua consulta na Saúde Secular pelo telefone (11) 5565 4000 ou WhatSapp (11) 94504 1500.